7 sinais de infecção por clamídia e como se proteger dessa perigosa DST

Vamos admitir: muitas pessoas não pedem a seus parceiros que mostrem um atestado de saúde antes de fazer sexo (mesmo sexo desprotegido!). Algumas pessoas, especialmente adolescentes e jovens adultos, não têm restrições sobre a saúde íntima de seus parceiros. Mas talvez devessem! Tais suposições sobre a saúde dos parceiros são exatamente o que leva à disseminação de várias DSTs.

Uma dessas infecções é a clamídia. Acredita-se que essa seja a infecção bacteriana sexualmente transmissível mais comum. Um de seus perigos está na falta de sintomas na maioria dos infectados. Se a infecção por clamídia não for tratada, pode levar a complicações graves, como danos irreversíveis ao sistema reprodutivo.

RECOMEDAMOS PARA VOCÊ: 8 causas comuns de dor pélvica crônica

Sintomas da infecção por clamídia


Como mencionamos acima, nem todas as pessoas infectadas com clamídia apresentam sintomas, especialmente no começo. Se os sintomas estiverem presentes, eles podem incluir os seguintes:

  • dor ao fazer xixi;
  • dor no baixo ventre;
  • febre;
  • nas mulheres: sangramento entre os ciclos menstruais e depois de sexo, menstruações dolorosas;
  • nas mulheres: corrimento vaginal que pode ter mau cheiro e cor amarela ou esverdeada;
  • nas mulheres: coceira ou queimação na vulva;
  • nos homens: dor no pênis, dor testicular.

A bactéria que causa a infecção, a Chlamydia trachomatis, também pode afetar o ânus e o reto, causando coceira, dor, sangramento e corrimento.

Consulte o seu médico assim que puder se você tiver estes sintomas.

Quem corre maior risco de ter uma infecção por clamídia?

Algumas pessoas são mais propensas do que outras a serem infectadas com clamídia. Esses grupos incluem:

  • pessoas que não usam preservativo;
  • pessoas com múltiplos parceiros sexuais;
  • pessoas com histórico pessoal de DSTs.

Branislav Nenin / Shutterstock.com

 

Quais complicações a infecção por clamídia pode causar?

A clamídia pode causar várias complicações, e a maioria delas é grave. Aqui estão algumas delas:

  • em mulheres: doença inflamatória pélvica (DIP), que causa inflamação do útero e tubas uterinas e pode até causar infertilidade;
  • pneumonia e infecções oculares graves em bebês nascidos de mães infectadas;
  • parto prematuro;
  • nos homens: prostatite, uretrite, epididimite (inflamação dos tubos que transportam o esperma ao longo dos testículos).

Como diminuir o risco de se contagiar por clamídia

lucidwaters / Depositphotos.com

A abstinência é uma maneira infalível de prevenir a infecção por clamídia. Para diminuir o risco, as seguintes medidas também podem ajudar:

  • usar preservativos masculinos ou femininos;
  • ter relações sexuais com apenas um parceiro;
  • fazer exames regulares para clamídia e outras DSTs;
  • não fazer duchas vaginais, já que elas podem desequilibrar a flora vaginal;

Gostaríamos também de mencionar algumas situações na qual você não vai se contaminar por clamídia. Elas incluem:

  • sentar-se em uma privada usada anteriormente por alguém infectado;
  • compartilhar uma sauna ou uma piscina com um indivíduo infectado;
  • tocar em objetos que uma pessoa infectada tocou e estar perto de alguém infectado.
     

Fonte: Mayo Clinic, HealthLine, Medical News Today, WebMD

RECOMENDAMOS PARA VOCÊ: Tratamento caseiro para hemorroidas: 6 truques para aliviar a dor, a coceira e o sangramento


Este artigo é meramente informativo. Não se automedique e, em todos os casos, consulte um profissional de saúde certificado antes de usar qualquer informação apresentada nesta publicação. O conselho editorial não garante nenhum resultado e não assume qualquer responsabilidade por danos que possam resultar da utilização das informações constantes no artigo.

 

Recomendamos